Portuguese English French German Italian Russian Spanish
Início > Acadêmicos > Merval Pereira

Perfil do Acadêmico

Oitavo ocupante da cadeira nº 31, eleito em 2 de junho de 2011, na sucessão de Moacyr Scliar, falecido em 27 de fevereiro de 2011, foi recebido em 23 de setembro de 2011, pelo Acadêmico Eduardo Portella.
Cadeira: 
31
Posição: 
Atual
Antecedido por:
Data de nascimento: 
24 de Outubro de 1949
Naturalidade: 
Rio de Janeiro - RJ
Brasil
Data de eleição: 
2 de Junho de 2011
Data de posse: 
23 de Setembro de 2011
Acadêmico que o recebeu: 
Fotos relacionadas
  • O conferencista Gelson Fonseca em destaque e, ao fundo, o Acadêmico Merval Pereira
Ver todas as fotos

Notícias relacionadas

Artigos relacionados

  • Um novo sabor

    O Globo, em 19/05/2022

    Durante a Guerra das Malvinas, o genial escritor argentino Jorge Luis Borges a definia como “lutas de carecas por um pente”. É o que acontece com a terceira via, que até agora não demonstrou ter cabelo suficiente para se pentear, mas briga entre si por uma brecha na polarização entre Bolsonaro e Lula, a tal ponto que não sobrou nada da musculatura que, imaginava-se, poderia ter quando ainda era um grupo forte, com o União Brasil de cofres forrados de dinheiro dos fundos partidário e eleitoral.

  • Forças desarmadas

    O Globo, em 15/05/2022

    As Forças Armadas andam muito suscetíveis às críticas que recebem das “forças desarmadas”, expressão do presidente do Tribunal Superior Eleitoral(TSE) ministro Edson Fachin que provocou mais um impasse retórico entre os militares e o Judiciário. Quando disse que “quem trata das eleições são as forças desarmadas”, Fachin tinha um objetivo claro: advertir que não serão admitidas, dentro dos marcos legais, interferências  externas no sistema eleitoral das urnas eletrônicas.

  • Bolsonaro e suas marionetes

    O Globo, em 12/05/2022

    O presidente Jair Bolsonaro, em meio à crise entre as Forças Armadas e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em razão dos questionamentos reiterados, alguns até já respondidos, do representante dos militares na Comissão de Transparência das Eleições (CTE) sobre as urnas eletrônicas, abriu o jogo num “sincericídio” que lhe é peculiar. Disse que, como comandante em chefe das Forças Armadas, seu representante na comissão só poderia seguir suas orientações. Com isso, assumiu a autoria da tentativa de desacreditar o sistema eleitoral brasileiro com questionamentos sem base técnica, muitos fora do prazo legal.