Portuguese English French German Italian Russian Spanish
Início > Acadêmicos > Merval Pereira

Perfil do Acadêmico

Oitavo ocupante da cadeira nº 31, eleito em 2 de junho de 2011, na sucessão de Moacyr Scliar, falecido em 27 de fevereiro de 2011, foi recebido em 23 de setembro de 2011, pelo Acadêmico Eduardo Portella.
Cadeira: 
31
Posição: 
Atual
Antecedido por:
Data de nascimento: 
24 de Outubro de 1949
Naturalidade: 
Rio de Janeiro - RJ
Brasil
Data de eleição: 
2 de Junho de 2011
Data de posse: 
23 de Setembro de 2011
Acadêmico que o recebeu: 
Fotos relacionadas
Ver todas as fotos

Notícias relacionadas

Artigos relacionados

  • Frentes amplas

    O Globo, em 29/01/2023

    Lula continua sendo uma metamorfose ambulante, e cada vez mais se enreda em suas próprias contradições. A esquerda petista vibra com a atuação do presidente nestes primeiros dias de governo que, através da retórica radicalizada, mostra-se o 'líder da esquerda' da frente ampla, como se um simulacro pudesse dar ao governo petista as ferramentas reais para superar as dificuldades atuais. Uma frente ampla se baseia em programas e projetos, e não na distribuição aleatória de cargos.

  • Dificuldades adiante

    O Globo, em 24/01/2023

    O novo comandante do Exército, general Tomás Ribeiro Paiva, assume o posto com as reverberações da intentona de 8 de janeiro ainda contagiando o meio militar. A delicadeza da situação sugere cautela, mas também medidas rigorosas contra os militares que proporcionaram, por leniência cúmplice ou incompetência seletiva, o clima para os acontecimentos nefastos à democracia brasileira.

  • Lula se impõe

    O Globo, em 22/01/2023

    O presidente Lula, ao impor sua autoridade na demissão do comandante do Exército, Júlio Cesar de Arruda, foi ajudado pelo voluntarismo do ex-presidente Bolsonaro em relação ao que chamava de 'meu Exército'. Notificado de que seria demitido, o comandante Arruda convocou o Alto Comando do Exército para queixar-se da decisão do presidente Lula. Não encontrou respaldo nos generais, que alegaram, entre outras coisas, que o ex-presidente Bolsonaro demitiu de uma só vezo ministro da Defesa e os três Comandantes das Forças Armadas, e não houve nenhuma reação.