Início > Acadêmicos > Ana Maria Machado

Perfil da Acadêmica

Sexta ocupante da Cadeira nº 1, eleita em 24 de abril de 2003, na sucessão de Evandro Lins e Silva e recebida em 29 de agosto de 2003 pelo acadêmico Tarcísio Padilha.
Cadeira: 
1
Posição: 
Atual
Data de nascimento: 
24 de Dezembro de 1941
Naturalidade: 
Rio de Janeiro - RJ
Brasil
Data de eleição: 
24 de Abril de 2003
Data de posse: 
29 de Agosto de 2003
Acadêmico que a recebeu: 
Fotos relacionadas
Ver todas as fotos

Notícias relacionadas

Artigos relacionados

  • Mentiras da ficção de verdade

    O Globo, em 07/01/2017

    Pediram-me que repetisse uma brincadeira que fiz aqui há dois anos, quando começava 2015: a escolha de parágrafos iniciais de livros de que gosto, para que o leitor passeie por eles como se estivesse a esmo numa livraria e, ao acaso, folheasse aqui e ali. Talvez seja atraído para um mergulho mais prolongado. Na ocasião, chamei isso de “Iscas de leitura”. Acho que o melhor seria remeter os interessados a uma livraria de verdade, não virtual, dessas que permitem ficar à toa escolhendo, à vontade. Mas alguns bairros ou cidades se ressentem de sua falta. E, neste momento brasileiro, reconheço a importância de ler literatura, uma ficção construída com arte, depois de um ano inteiro em que nem sempre foi fácil distinguir o real e o falso entre tanta coisa que lemos e ouvimos

  • Boa vontade e coincidência

    O Globo, em 24/12/2016

    Sempre me impressionou a mensagem de Natal que os anjos trouxeram ao presépio. Além de glorificar Deus nas alturas, desejavam paz na terra aos homens de boa vontade. Uma clara restrição — os de má vontade ficavam de fora, que se guerreassem à vontade. Nesta data festiva, podemos nos lembrar disso e ter um pouquinho de boa vontade geral. Faz bem ao país. Pode ajudar na paz e na harmonia. Até mesmo porque, como lembrou a ministra Cármen Lúcia, a sociedade não pode correr o risco de descrer do Estado: “Ou a democracia ou a guerra”.

  • Múltipla escolha

    O Globo, em 10/12/2016

    O presidente do Senado manda dizer ao oficial de Justiça que não está, na certeza de que está alhures: acima da lei.