Portuguese English French German Italian Russian Spanish
Início > Artigos > Decisão do STF contra a imprensa é absurda

Decisão do STF contra a imprensa é absurda

 

A decisão do STF que estabeleceu regra para processar civilmente veículos de imprensa por declarações de seus entrevistados é importante e perigosa para a liberdade de expressão e de informação. Imagina uma entrevista do Pedro Collor contra o então presidente Fernando Collor, com muitas injúrias – que mais adiante acabaram se confirmando. Como faria a revista que publicou¿ Se arriscaria a ser processada pelo presidente¿ O problema tem que ser a medida da credibilidade do veículo e da intenção. Evidente que tem publicações, em todos os níveis, que usam o expediente de chantagear, publicar matérias que não são verdadeiras até para ganhar benefícios financeiros. Mas para isso existe a justiça, processa o jornalista, o veículo, com base na legislação existente. Colocando esta barreira, faz-se uma espécie de censura previa, obrigando os jornais e todas as publicações a fazerem uma autocensura. E as entrevistas ao vivo? Não se pode colocar uma barreira inicial ao trabalho da imprensa, porque é uma censura prévia, obrigando todos a uma auto contenção excessiva.. A pessoa faz uma denúncia, o jornalista não pode provar, mas há indícios de que seja verdade. Então não publica, porque pode ser processado? Anos depois, a denúncia se confirma e o que acontece? Além disso, limita a atividade fundamental do jornalismo que é denunciar, mostrar onde estão os defeitos. Qualquer governo pode alegar, quando é criticado, que o jornalista está fazendo política, ajudando o adversário, e o processa. É uma decisão absurda. O ministro Barroso disse que a decisão só vale para os casos claramente maliciosos. É sempre assim, mas todo caso vira malicioso. É como a Lava-Jato: só vale para o triplex, e todos foram anistiados, absolvidos, ou os processos foram anulados. Abre uma brecha que todos vão usar para impedir os jornais de investigar.

 
O Globo, 29/11/2023