Início > Acadêmicos > Marcos Almir Madeira

Perfil do Acadêmico

Sexto ocupante da Cadeira 19, eleito em 19 de agosto de 1993, na sucessão de Américo Jacobina Lacombe e recebido pelo Acadêmico Abgar Renault em 11 de novembro de 1993. Recebeu o Acadêmico Dom Lucas Moreira Neves.
Cadeira: 
19
Posição: 
6
Antecedido por:
Sucedido por:
Data de nascimento: 
21 de Fevereiro de 1916
Naturalidade: 
Niterói - RJ
Brasil
Data de eleição: 
19 de Agosto de 1993
Data de posse: 
11 de Novembro de 1993
Acadêmico que o recebeu: 
Data de falecimento: 
19 de Outubro de 2003
Fotos relacionadas
Ver todas as fotos

Artigos relacionados

  • A organização da inconsciência

    O GLOBO em, em 01/04/2002

    Foi por volta de 1940 que li sobre opinião "inconsciente", expressão lançada pela psicologia renovada. Mas o que eu não poderia nem de leve prever é que aquela denominação, aparentemente extravagante, fosse cientificamente abonada e viesse ajustar-se ao quadro eleitoral brasileiro de um passado recente.

  • A esperança e o veto

    O GLOBO em, em 16/11/2001

    O Congresso votou lei que estabelece, nas escolas do ensino médio, a obrigatoriedade do ensino de filosofia e sociologia, até agora matérias optativas ou objeto de experiências eventuais, assistemáticas, oscilando entre diferentes tendências e interesses da direção escolar aqui e ali, Brasil adentro. Divulgou a imprensa que algumas autoridades federais do ensino, favoráveis à inclusão da filosofia no currículo de nível médio, não aprovam, contudo, a extensão da medida ao ensino de sociologia . Era de crer que o professor Fernando Henrique Cardoso não vetasse a lei em tramitação. Mas vetou. A Presidência tem suas razões que a sociologia não entende... (que Sua Excelência, "aqui na terra" e o bom Pascal , "no Reino do Céu" me absolvam da paródia).

  • Uma luz no apagão

    O GLOBO,, em 13/07/2001

    Nestes dias em que a esperança escurece, dias de perplexidade e decepção, releio um ensaio daquele denso e avisado pensador Alberto de Seixas Martins Torres, que presidiu a sua província fluminense e honrou o Supremo Tribunal. Não me volto agora para os seus livros capitais, "A organização nacional" e "O problema nacional brasileiro", que por certo inspiraram, em 1930 ou 31, a fundação, no Rio, da Sociedade dos Amigos de Alberto Torres (surgiu após a Sociedade dos Amigos de Marcel Proust, e desejo crer que não se tratasse de uma réplica retardatária do nosso grand monde carioca...).

Vídeos relacionados