Início > Acadêmicos > Rachel de Queiroz

Perfil da Acadêmica

Quinta ocupante da Cadeira 5, eleita em 4 de agosto de 1977, na sucessão de Candido Motta Filho e recebida pelo Acadêmico Adonias Filho em 4 de novembro de 1977.
Cadeira: 
5
Posição: 
5
Antecedida por:
Sucedida por:
Data de nascimento: 
17 de Novembro de 1910
Naturalidade: 
Fortaleza - CE
Brasil
Data de eleição: 
4 de Agosto de 1977
Data de posse: 
4 de Novembro de 1977
Acadêmico que a recebeu: 
Data de falecimento: 
4 de Novembro de 2003
Fotos relacionadas
Ver todas as fotos

Notícias relacionadas

Artigos relacionados

  • Afinal, não temos poderes divinos...

    Estado de São Paulo (São Paulo - SP) em, em 06/07/2002

    Sou leitora contumaz da seção de cartas de leitores dirigidas aos jornais. E tenho visto com freqüenta cartas de pessoas que voltam a defender a pena de morte. Isso me assusta, embora compreenda a revolta de muitos contra o atual estado de coisas: violência e morte em grau jamais alcançado entre nós.

  • É bom não esquecer...

    Estado de São Paulo (São Paulo - SP) em, em 29/06/2002

    Um estranho que observasse, do lado de fora, o planeta Terra, diria talvez que a sua história, monotonamente, sempre se caracterizou pela luta dos oprimidos contra o opressor e a tentativa de revanche dos dominadores contra os rebelados. Desde a rebelião dos Anjos contra o Senhor, passando pela desobediência de Adão e Eva, chegando até os séculos 19, 20 e 21 (que já está se revelando ser um dos mais ferrenhos).

  • Ainda há um jeito de viver

    Correio Braziliense (Brasília - DF) em, em 24/06/2002

    Antigamente até que se achava bonita a palavra megalópole e todas as suas implicações. Hoje é o grande vilão do mundo moderno. O que foi a Londres imperial, a gigantesca Nova York, poderosa expressão de uma grandeza emergente, tornou-se agora sinônimo de conflito e retrocesso. As megalópoles - tais como as cidades do México, São Paulo, Pequim, Calcutá, são sintomas, não de força e riqueza de um país, mas de miséria e injustiça social. Pois que todas essas grandes metrópoles, passando algumas dos doze milhões de habitantes ou chegando perigosamente aos vinte milhões, representam uma maioria que é vítima da miséria torçal, do desemprego, do subemprego e mais gradações da extrema pobreza.