Início > Artigos

Artigos

  • Não Perca seu Latim

    Revista Comunità Italiana, em 21/02/2018

    Tenho especial ligação com esee livro, desde o fim da minha adolescência, quando me entregava, com rigor e apetite autodidata, aos encantos do latim. E o fato não se limitava a uma serie de saltos mortais, ou carpados, exigidos pela gramática, árdua e fascinante, bem entendido. Buscava os rastros de um mundo novo, fruto do intocável frescor de que goza a antiga juventude dos deuses. Língua e literatura mostravam-se para mim, desde então, como conjuntos indissolúveis, que não se podiam afastar sob um método esquizolinguístico. Sentia-me bem com o livro Urbis et orbis lingua, de Vittorio Tantucci, que aprofundava os volumes de nossa conhecida Ars latina, em paralelo com a leitura dos clássicos.  

  • O Diabo e a Carne

    O Globo, em 07/02/2018

    Não posso dissociar Carlos Heitor Cony de meu antigo professor do Salesianos, em Niterói, José Inaldo Alonso. Foi este quem me levou ao romance “Pilatos, fascinado pelo estranho rumor de suas palavras. 

  • Verda Stelo

    O Globo, em 03/01/2018

    A paz não é um maná celestial, mas uma conquista que exige uma ética pública, densa e compartilhada.

  • Juntos

    O Globo, em 06/12/2017

    Uma parte do país respira com escassa quantidade de oxigênio.  Outra, só não foi desenganada pelas virtudes heroicas de nosso povo, na obstinação dos democratas, os que defendem a Constituição. Ou talvez, e mais simplesmente, porque os astros do zodíaco se apiedaram de tantas e seguidas desventuras. 

  • Fluxo Bruto

    O Globo, em 01/11/2017

    Impressiona o nível estarrecedor do debate estético, promovido pela polícia teológica do Congresso, porta-vozes da vanguarda do mais puro retrocesso. A resposta precisa ser dura e por vias judiciárias, porque o protofascismo em que vão imersos não conhece limites. Merecem igual atenção por parte da sociologia e da psiquiatria. Não seria tampouco inútil indagar a tímida presença da arte nas escolas. É um imperativo categórico recuperá-la para a cidadania. 

  • Mignone 120

    O Globo, em 04/10/2017

    O Teatro Municipal do Rio me conquistou na juventude. Parte da minha vida se divide em antes e depois de alguns concertos e óperas. Uma espécie de memória afetiva prende-me àquele território, na forma de protesto ou entusiasmo, recusa e adesão, jamais indiferente às suas temporadas. Estudava as partituras ao piano, depois de acabar com os discos de vinil de tanto ouvi-los.  

  • Em Nome de Quem?

    O Globo, em 06/09/2017

    O governo Temer assume uma atitude cada vez mais distante da realidade. Atribui a si mesmo o papel de novo redentor do Brasil. Pretende-se ilibado, como seus “apóstolos”, cuja sublime presença seria capaz de romper o círculo vicioso da crise, de que ele é parte não assumida.

  • Missa de Réquiem

    O Globo, em 02/08/2017

    Não me alegra a ideia de perdedores na política, nem me rejubilo com a epidemia prisional que se abate no país. Seja no cumprimento da justiça ou como irresistível ânsia predatória, diante de uma Suprema Corte altamente politizada ou partidária. Tampouco festejo o impeachment considerado como antídoto de nossa imensa crise, segundo pregam partidos de exuberante narcisismo.

  • A Náusea

    O Globo, em 05/07/2017

    Na companhia de Pantagruel, famoso personagem de François Rabelais, navego entre as ilhas imaginárias que há séculos deliciam gerações. Abordo primeiro a Ilha dos Ventos, depois a Ilha da Procuração e em seguida a dos Macróbios ou Longevos. E, no entanto, como leitor rebelde, sigo pouco mais ao sul, em busca de novos arquipélagos, não mencionados por Rabelais, mas que poderiam muito bem existir. Penso na Ilha da Mesóclise, regida por Judas II, príncipe do Larapistão. Penso na Ilha dos Escravos, cuja população decidiu abolir a tirania das leis trabalhistas que impedem o crescimento econômico.    

  • Carta a um Jovem Preso

    O Globo, em 07/06/2017

    Caro Luís: suas palavras me emocionam pela força e ousadia. Como um grito no meio da noite. Carta luminosa, escrita com tinta azul, mais ordenada que a caligrafia de seu destinatário. Dividimos a mesma terra, o mesmo céu e a mesma lei. A infância que vivemos nos aproxima um do outro. Irmãos de um tempo sensível, aberto para um mundo indiviso.  

  • Adeus, Eduardo

    Jornal de Letras (Lisboa), em 26/05/2017

    Não direi de minha amizade por Eduardo Portella. Não encontro forças, abalado pela sua partida. Direi apenas do crítico, do pensador, que vivo permanece, como um dos maiores poetas do ensaio em língua portuguesa.

     

  • Ovo de Avestruz

    O Globo, em 03/05/2017

    A posição do ministro da Justiça a respeito da greve do dia 28 de abril deixa um sinal de inquietação. Um sinal comparável à nota que o Planalto soltou no mesmo dia. Não houve uma leitura razoável dos acontecimentos, que não quiserem ou não puderam realizar. 

  • Uma Carta Fascinante e Sem Fim Enviada ao Futuro

    O Globo, em 22/04/2017

    Os “Ensaios” de Montaigne dão a impressão de que foram escritos para o nosso tempo, em pleno século XXI, tal o frescor e a contundência que se desprendem de sua forma de pensar. Hoje, como em meados do século XVI, as certezas se mostram voláteis e os valores mal iniciaram o processo de transmutação.

  • Corpo do Futuro

    O Globo, em 05/04/2017

    Volto a folhear a Constituição de 88 e me deparo com um sentimento de saudade e furor. Primeiro, pelo que fomos, quando a utopia era o centro da agenda e não cedera lugar à platitude da gestão e da governança, idolatradas pela antipolítica. A busca da modernidade tardia passava pelo fim da desigualdade, através de um conjunto definido de políticas sociais que ainda brilham na Constituição e nas leis complementares.