Início > Noticias > Diretoria da ABL, eleita para o exercício de 2019, toma posse no dia 13 de dezembro, quinta-feira, às 17 horas, no Petit Trianon

‘Ninguém se iluda: a cultura é o derradeiro baluarte da democracia’, afirma o escritor Marco Lucchesi em seu discurso de Posse na Presidência da ABL

A nova Diretoria da Academia Brasileira de Letras, eleita no dia 6 de dezembro passado, para o exercício de 2019, tomou posse na quinta-feira, dia 13 de dezembro, às 17 horas, em solenidade no Petit Trianon. O Presidente é o Acadêmico Marco Lucchesi, o mais jovem dos últimos 70 anos e, também, o mais moço a cumprir dois mandatos em toda a história da Instituição. Assumiram, ainda, os seguintes Diretores: Secretário-Geral, Merval Pereira; Primeira-Secretária, Ana Maria Machado; Segundo-Secretário, Edmar Bacha; e Tesoureiro, José Murilo de Carvalho.

Em seu discurso de posse, Lucchesi afirmou: “Queremos a construção da paz e da hospitalidade, não a bandeira da barbárie, porque Roma não cairá, nem poderá celebrar a cultura do ódio, contradição no adjetivo, pois ódio e cultura não sabem e não podem caminhar juntos”.

O Presidente disse, ainda: “Não me falta uma certeza, das poucas que guardei, ante o naufrágio das ilusões. Se a beleza salvará o mundo, nas palavras de um personagem de Dostoiévski, não hesito em dizer que a pluralidade salvará o Brasil. Ninguém se iluda: a cultura é o derradeiro baluarte da democracia”.

Na cerimônia, o Secretário-Geral, Acadêmico, embaixador e historiador Alberto da Costa e Silva, apresentou, de forma sucinta, o Relatório do ano de 2018.

 

DIRETORIA DA ABL PARA 2019

MARCO LUCCHESI – Sétimo ocupante da cadeira nº 15 da ABL, eleito em 3 de março de 2011, na sucessão de Padre Fernando Bastos de Ávila, Marco Lucchesi, nascido no Rio de janeiro em 9 de dezembro de 1963, é o mais jovem Presidente da Academia Brasileira de Letras dos últimos 70 anos. O mais novo, em toda a história da ABL, foi o Acadêmico Pedro Calmon (1902-1985), que assumiu em 1945, com 43 anos de idade.

Escritor muitas vezes premiado, tanto no Brasil quanto no exterior, Lucchesi é autor de uma obra que abarca poesia, romance, ensaios, memórias e traduções. Publicou mais de 40 livros ao longo de sua trajetória. Professor titular de Literatura Comparada da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Lucchesi tem pós-doutorado em Filosofia da Renascença na Alemanha. Formado em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF), possui mestrado e doutorado em Ciência da Literatura. Seus livros mais recentes são O carteiro imaterial (ensaios), Clio (poesia) e O bibliotecário do imperador (romance). Ganhou três Prêmios Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro.

MERVAL PEREIRA – Oitavo ocupante da cadeira nº 31, eleito em 22 de junho de 2011, na sucessão de Moacyr Scliar, Merval Pereira é jornalista e comentarista da Globonews e da CBN e Colunista de O Globo. Foi eleito Correspondente Brasileiro da Academia das Ciências de Lisboa, em novembro de 2016. Em 1979, recebeu o Prêmio Esso pela série de reportagens “A segunda guerra, sucessão de Geisel”, publicada no Jornal de Brasília e escrita em parceria com o então editor do jornal André Gustavo Stumpf. A série virou livro, considerado referência para estudos da época e citado por brasilianistas, como Thomas Skidmore. Em 2009, recebeu o prêmio Maria Moors Cabot da Universidade de Columbia de excelência jornalística, a mais importante premiação internacional do jornalismo das Américas.

ANA MARIA MACHADO – Sexta ocupante da Cadeira nº 1, eleita em 24 de abril de 2003, na sucessão de Evandro Lins e Silva, e recebida em 29 de agosto de 2003 pelo acadêmico Tarcísio Padilha. A escritora Ana Maria Machado presidiu a Academia Brasileira de Letras em 2012 e 2013. É membro do PEN Clube do Brasil e do Seminário de Literatura da Universidade de Cambridge, na Inglaterra. Integra o Conselho Consultivo do Brazil Institute do King’s College em Londres. Recebeu a Ordem do Mérito Cultural, no grau de Grão-Mestre, a Medalha Tiradentes, a Grande Ordem Cultural da Colômbia, e a Medalha Tamandaré. Publicou mais de cem livros no Brasil, muitos deles traduzidos em cerca de vinte países.

EDMAR BACHA – Economista, fundador e diretor do Instituto de Estudos de Política Econômica/Casa das Garças, um centro de pesquisas e debates no Rio de Janeiro, Edmar Bacha nasceu em Lambari, Minas Gerais, de uma família de escritores, políticos e comerciantes. Sexto ocupante da Cadeira 40 da ABL, eleito em 3 de novembro de 2016, na sucessão de Evaristo de Moraes Filho, concluiu a Faculdade de Ciências Econômicas na Universidade Federal de Minas Gerais e, em seguida, obteve o Ph.D. em Economia na Universidade de Yale, EUA. É autor de inúmeros livros e artigos em revistas acadêmicas brasileiras e internacionais. O último livro foi Belíndia 2.0: Fábulas e Ensaios sobre o País dos Contrastes.

JOSÉ MURILO DE CARVALHO Historiador, professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e membro da Academia Brasileira de Letras. Nascido em Andrelândia (MG), fez sua graduação em Sociologia e Política na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e é Ph.D pela Universidade de Stanford. Atuou como professor visitante e pesquisador em diversas universidades estrangeiras, como Oxford, Leiden, Londres, Stanford e Princeton. É autor de vasta produção de artigos e crônicas publicados em jornais e revistas, no Brasil e exterior, e de livros, como Os bestializados (1987), Pontos e bordados (1998), A formação das almas – o imaginário da República no Brasil (1990), Cidadania no Brasil: o longo caminho (2001) e Dom Pedro II (2007). Seu livro mais recente é O pecado original da República.

10/12/2018

Notícias relacionadas