Portuguese English French German Italian Russian Spanish
Início > Artigos

Artigos

  • Carta aberta em favor de Paolo Dall'Oglio

    Instituto Humanitas Unisinos, em 05/08/2013

    Em nome de Deus o Clemente o Misericordioso

    Aos heróis da guerra pela liberdade da Síria

    Caros Irmãos

    Acompanhamos do Brasil o testemunho de coragem  e grandeza de todos vocês,  que sonham e lutam pela liberdade da Síria, escrevendo páginas sublimes em prol da libertação de um povo martirizado, por décadas de opressão, dentro da mais alta perspectiva corânica da Justiça e da Misericórdia.

  • Democracia Eletrônica

    O Globo, em 17/07/2013

    A resposta dos três níveis de governo às manifestações demonstra um despreparo monumental das autoridades. Não desço a razões instrumentais, diminuindo a altura do debate, como os que pensam de forma oportunista nas próximas eleições. Vivemos uma transformação de paradigma e precisamos aprender a lidar com esses novos horizontes democráticos. 

  • Cartola e Pasolini

    O Globo, em 19/06/2013

    Fiz uma visita emocionada ao Morro dos Macacos, de mãos dadas com um verso de Pier Paolo Pasolini: “a favela fatalmente nos esperava”. Essa imagem revelou-se mais nítida e grávida de futuro, dentro da creche  que abrigou num fim de tarde a Flupp. Não poderia haver sinal, outro e melhor, que o da creche, radicado numa cidade que espera crescer no seio de uma cultura de paz e igualdade.

  • Desastre na Síria

    O Globo, em 15/05/2013

    Damasco é uma das mais belas cidades do mundo, que não sei e não posso abandonar. Velha e soberba capital do califado omíada, cujas fronteiras se estendiam do Afeganistão à Península Ibérica. Promotora de um convívio admirável entre culturas e religiões diversas, Damasco era conhecida como “cidade do amor” na alta e refinada tradição da poesia árabe.

  • Autonomia da Escola

    O Globo, em 14/04/2013

    Levamos séculos para descobrir que a infância não é uma doença que ataca os seres humanos quando nascem, tão dependentes e incompletos se mostram. A criança não passaria de um adulto imperfeito, para o qual se devem ministrar remédios, que consistem em apressar-lhe o crescimento, mediante atribuição de tarefas e compromissos, que dissolvam a profunda poesia em que se move.  Um crime de lesa-humanidade que se prolonga, infelizmente, sob diversas modalidades.

  • Economia e Humanismo

    O Globo, em 20/03/2013

    As manifestações nas ruas de Lisboa, ocorridas semana passada, ilustram terrivelmente o peso das medidas  econômicas impostas pelo governo à sociedade civil. E com uma recessão absurda, imoral, que deve atingir o patamar de  2,3 % ao longo do ano. Apesar da indignação, nenhuma surpresa. Os tecnocratas são sempre os mesmos, e não perdem os vícios de linguagem, em todos os quadrantes da Terra. 

  • Uma Nova Europa?

    O Globo, em 20/02/2013

    Ouço em Budapeste, e não somente aqui onde me encontro, uma exaltação quase febril pelos profetas que cantaram os últimos dias da Europa. Dentre todos, "A decandência do ocidente”, de Oswald Spengler, lembra um cartório abandonado e  coberto de poeira, onde se guarda, nas prateleiras apocalipticas, o certificado de óbito da comunidade europeia, o fim do novo e derradeiro  império romano, abatido e cansado, vítima de uma crise de identidade sem precedentes. 

  • Um Poeta que escrevia na língua de ninguém

    O Globo, em 02/02/2013

    Acaba de sair um livro oportuno sobre o romeno Ghérasim Luca, da autoria de Laura Erber, pela coleção Ciranda da Poesia, da EdUerj, dedicada à poesia contemporânea. Não merecem passar em brancas nuvens, o livro e o poeta, e não somente pela efeméride dos cem anos de seu nascimento — porque não lhe devem faltar outros no futuro —, mas pelo vigor de um laboratório verbal que ainda produz uma linguagem de combinações químicas em estado latente. 

  • Democracia e Diversidade

    O Globo, em 16/01/2013

    O Brasil é uma república teocrática e de cunho fundamentalista. Eis a conclusão a que chegaria um marciano, se sua leitura dependesse exclusivamente da tevê aberta no país, captada (digamos) nas terras baixas do planeta vermelho, onde trabalha hoje o robô Curiosity.

  • Mahmud Daruish

    O Globo, em 20/12/2012

    Se a rosa dos ventos do mundo não cessa de mover os grandes moinhos da história, se a fome de justiça e beleza não amainou, sob o império dos ciclones deste século, é forçoso reconhecer, contudo, uma ponta de febre no corpo da geografia.

  • Lágrimas de Xerxes

    O Globo, em 21/11/2012

    A cidade do Rio de Janeiro vive um período de grandes mudanças. Promissoras, algumas, incertas e polêmicas, outras muitas, motivadas por gestos de resgate sócio-cultural, dentro de um novo desenho de deslocamento e ocupação do espaço urbano, além dos benefícios dos eventos esportivos a que a cidade se prepara. 

  • República dos Livros

    O Globo, em 24/10/2012

    Faz trinta anos que decidi atravessar a cidade do Rio de Janeiro. E não tenho a mais remota esperança de terminar a viagem, que vai do morro de São Bento à Quinta da Boa Vista. Viagem interminável pelos arquivos, bibliotecas e gabinetes.

  • Elogio da Transparência

    Valor Economico,, em 11/10/2012

    Do ponto de vista da energia poética, podemos dizer essencialmente que em nossa língua chegamos a Dante sempre e somente na companhia do próprio Dante. Quem deve pagar a conta dessa redundância é o generoso decassílabo da Divina comédia, que ordena, aperta e fixa o decasílabo de Camões. Mas é um fixar que move, é um apertar que desamarra.

  • Dante e a Justiça

    O Globo, em 19/09/2012

    Participo em Ravenna de um encontro sobre a Divina comédia. Os restos mortais do poeta encontram-se aqui, na basílica de São Francisco, e, a quase setecentos anos de sua morte, sua obra alcançou dimensão planetária, traduzida para as mais impensáveis línguas do mundo. 

  • A ópera do Mercosul

    O Globo, em 22/08/2012

    As declarações descabidas e previsíveis de Federico Franco, presidente ad hoc do Paraguai, lembram as linhas de um frágil libreto de ópera. As personagens são sempre as mesmas, não trazem sinais de novidade, com monótono desfecho, seguido de aplauso protocolar.