Início > Artigos

Artigos

  • Lembrando um mártir

    O Globo, em 07/07/2018

    A recente condenação do Estado brasileiro pela tortura e morte do jornalista Vladimir Herzog, em 1975, durante a ditadura militar, veio lembrar o que alguns ainda querem negar — que crimes contra a humanidade eram então cometidos por torturadores, um dos quais é hoje exaltado por um candidato à Presidência da República.

  • Desespero e migrações

    O Globo, em 07/07/2018

    Cada vez mais, nesta Copa do Mundo, torna-se evidente: a globalização do futebol é uma realidade. Basta ver como as equipes europeias tradicionais incluem jogadores originários de famílias de outros países, sobretudo árabes ou africanos. Ou como, entre as seleções em condições de seguir adiante, várias são de regiões que raramente conseguiam se classificar e agora fizeram bonito, ameaçando favoritos.

  • De governantes e governados

    O Globo, em 07/07/2018

    Onde passar a noite - O famoso místico Ibrahim Adham entrou certa vez no palácio do governante local. Como era muito conhecido na região, nenhum guarda ousou detê-lo, e conseguiu chegar à presença do soberano.

  • Copa do Mundo e Educação

    O Dia, em 06/07/2018

    Estamos em plena realização da Copa do Mundo, mas temos que ficar atentos: a Educação brasileira merece ser também priorizada. Com um certo saudosismo, me vi relembrando as Copas anteriores e o que estava ocorrendo com a nossa educação, por ocasião de suas realizações.

  • A tensão do pênalti

    O Globo, em 05/07/2018

    “O pênalti é tão importante que deveria ser batido pelo presidente do clube”. A frase famosa, atribuída ao treinador de futebol de praia no Rio e filósofo do futebol Neném Prancha, ganha dimensão nessa Copa da Rússia, que passou a ser a que mais teve pênaltis de todas já realizadas.  Foram marcados 24 pênaltis nos 48 jogos disputados na primeira fase, a de grupos. Nos Mundiais comparáveis, com 32 seleções a partir de 1998, o número máximo de penaltis foi de 18 nos 48 jogos realizados, como em 1998 e 2002.

  • Impunidade

    O Globo, em 04/07/2018

    Pesa um esquálido silêncio no coração do Rio. Nenhum sinal dos assassinos de Anderson e Marielle.  Um silêncio corrosivo tornou infinito o labirinto da investigação. Houve quem tentasse incriminar a vítima, talvez para emprestar algum lastro aos mandantes. A iniquidade desferiu um tiro na memória ao buscar uma segunda morte, como se não bastasse a primeira, para depois enredar-se num mutismo mafioso.

  • O ‘goooooool’ e o orgasmo

    O Globo, em 04/07/2018

    Durante a transmissão do jogo Brasil x México, um amigo de esquerda pedia, como se estivesse se dirigindo aos colegas mexicanos: “Já que vocês ganharam a eleição, deixem agora a gente ganhar o jogo”. Ainda estava 0 x 0, e ele se referia à histórica vitória, na véspera, do candidato esquerdista Andrés Manuel López Obrador (AMLO, como é chamado), o primeiro a chegar ao poder em seu país, contrariando a onda conservadora que varreu a América Latina.

  • Educação vem do berço

    Tribuna de Petrópolis , em 04/07/2018

    Quando vem ao Rio, que é a sua procedência, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, não perde a oportunidade de recordar as suas origens. Desta feita, a convite de Hillel, que é um grupo de jovens interessados na cultura judaica, o ministro Barroso lembrou os seus tempos de Vassouras e depois os estudos na Escola Estadual Pedro Álvares Cabral, antes de frequentar a Faculdade de Direito da UERJ (no Catete), na qual se tornou titular. Disso tudo resultou um grande amor pela educação.

  • A globalização da emoção

    O Globo, em 03/07/2018

    Sobraram poucas estrelas na Copa do Mundo a esta altura, e Neymar parece estar reencontrando seu jogo, depois da cirurgia. Pode reafirmar sua condição de especial, e comandar a renovação dos líderes do futebol, ao lado de Mbappé. Aliás, o ataque do Paris Saint Germain marcou cinco gols até agora nas oitavas, dois de Mbappé, dois de Cavani e um de Neymar, o que mostra que está a caminho de tornar-se um dos grandes clubes do futebol globalizado.

  • Lenin, a ausência presente

    O Globo, em 01/07/2018

    A ausência mais presente na Rússia é a de Lenin. Está por toda parte, em frente ao estádio Lujiniki, palco da partida final da Copa do Mundo, nas estações de metrô, até o Rolls Royce que usava está em exibição no Museu Histórico. Mas as lembranças nada significam no país atual, são relíquias turísticas, não saudades do passado como a ausência presente pode significar.

  • Sejamos radicais

    O Globo, em 01/07/2018

    O Brasil exige: sejamos radicais. Mas dentro da lei: que a Justiça puna os corruptos, sem que o linchamento midiático destrua reputações antes das provas serem avaliadas. Não sejamos indiferentes ao grito de “ordem!”. Ele não vem só da “direita” política, nem é coisa da classe média assustada: vem do povo e de todo mundo. Queremos punição dos corruptos e ordem para todos, entretanto, dentro da lei e da democracia.

  • Cenas de uma guerra inútil

    O Globo, em 30/06/2018

    Que a vibração com a eliminação da Alemanha e com a vitória do Brasil sobre a Sérvia não nos deixe iludir: o Rio continua em guerra. Esta semana mesmo, num intervalo de 15 horas, dois policiais foram mortos e dois baleados. Se não bastasse, a Câmara dos Vereadores transformou-se num campo de batalha, com os confrontos que deixaram duas professoras feridas por balas de borracha e estilhaços de bombas.

  • Batucada na praça Pushkin

    O Globo, em 28/06/2018

    Se não é estranho ouvir, depois da vitória da seleção brasileira, uma batucada à meia-noite na praça Pushkin, muito menos ainda na Praça Vermelha, onde os torcedores de todo o mundo se reúnem após cada jogo em perfeita harmonia, não é banal ver duas moças andando a cavalo à mesma hora pelas ruas de Moscou, tranquilamente esperando o sinal abrir. A praça Pushkin é uma das muitas homenagens ao poeta Alexandre Pushkin, considerado o fundador da moderna literatura russa.

  • Crime e castigo

    O Globo, em 27/06/2018

    Com quem você acha que o brasileiro realmente se identifica — com aqueles torcedores machistas e cafajestes que assediaram e humilharam uma jovem russa que, sem entender português, foi levada a repetir termos chulos e ofensivos, como se tratasse de uma inocente brincadeira, ou com os que, em número muito maior, se indignaram com o revoltante comportamento?