Início > Artigos > A triste herança do povo negro

A triste herança do povo negro

O mês de no­vem­bro ocu­pa o lu­gar de pro­ta­go­nis­ta nas ce­le­bra­ções em tor­no da me­mó­ria do afro­des­cen­den­te no Bra­sil, em ra­zão do Dia da Con­sci­ên­cia Ne­gra, co­me­mo­ra­do no dia 20 (quan­do te­ria mor­ri­do o qui­lom­bo­la Zum­bi dos Pal­ma­res). É uma opor­tu­ni­da­de em que pen­sa­do­res e in­te­lec­tu­ais de to­do o Bra­sil pre­pa­ram uma agen­da es­pe­ci­al pa­ra que se re­fli­ta so­bre o te­ma. Ex­plo­rar a mul­ti­pli­ci­da­de de pen­sa­men­tos de um po­vo mui­tas ve­zes ig­no­ra­do é es­sen­cial pa­ra fi­xar e eter­ni­zar sua me­mó­ria.

A Flinksam­pa, even­to ide­a­li­za­do pe­la Fa­cul­da­de Zum­bi dos Pal­ma­res e pe­la ONG Afro­brás, ga­nha, a ca­da edi­ção, mais for­ça e vi­si­bi­li­da­de pa­ra co­lo­car em prá­ti­ca aqui­lo que mo­ti­vou a sua cri­a­ção: am­pli­ar o im­por­tan­te de­ba­te so­bre a cul­tu­ra ne­gra e sua lu­ta pa­ra con­quis­tar os di­rei­tos es­que­ci­dos ao lon­go de uma his­tó­ria mar­ca­da por in­jus­ti­ças e su­bor­di­na­ção eco­nô­mi­ca.

Há, no Bra­sil, um nú­me­ro ra­zo­á­vel de po­e­tas afro­des­cen­den­tes, mas su­as obras não são ain­da tão di­vul­ga­das, não por con­ta da qua­li­da­de, mas pe­lo de­sin­te­res­se do pú­bli­co lei­tor (tal­vez por pu­ro pre­con­cei­to) e, tam­bém, do mer­ca­do edi­to­ri­al.

O or­gu­lho das raí­zes afri­ca­nas, a apro­pria­ção e di­fu­são des­sa ri­quís­si­ma cul­tu­ra ga­nhou no­vos ru­mos a par­tir da pri­mei­ra Flinksampa, em 2013. Des­co­briu no­vos ta­len­tos, dan­do opor­tu­ni­da­de nun­ca vis­ta aos es­cri­to­res ne­gros, aos que es­cre­vem so­bre o ne­gro e aos jo­vens ta­len­tos, di­ver­si­fi­can­do tam­bém com ou­tras atra­ções que pro­mo­vem a cul­tu­ra e o en­tre­te­ni­men­to. No pri­mei­ro en­con­tro (“I Afro­ét­ni­ca Flink Sam­pa”), há qua­tro anos, o re­ve­ren­do Jes­se Jackson emo­cio­nou to­dos os pre­sen­tes, ao dis­cur­sar so­bre a se­gre­ga­ção ra­ci­al, afir­man­do: “Pi­or que a es­cra­vi­dão, é a in­ter­na­cio­na­li­za­ção de­la. Nós não nas­ce­mos es­cra­vos, fo­mos es­cra­vi­za­dos. O Bra­sil é um lu­gar que se com­par­ti­lha di­ver­sas et­ni­as. É uma fa­mí­lia que re­ce­beu a es­cra­vi­dão”, des­ta­cou em seu pro­nun­ci­a­men­to que ti­ve a hon­ra de pre­sen­ci­ar.

Dan­do con­ti­nui­da­de ao su­ces­so, a 5ª. edi­ção da Flinksampa, com a es­cri­to­ra Gui­o­mar de Gram­mont no­va­men­te co­mo cu­ra­do­ra, o es­cri­tor ho­me­na­ge­a­do, es­te ano, foi Pau­lo Lins,  au­tor do li­vro “Ci­da­de de Deus”, ro­man­ce adap­ta­do pa­ra o ci­ne­ma, com qua­tro in­di­ca­ções pa­ra o Os­car, em 2004. Po­e­ta, ro­man­cis­ta, ro­tei­ris­ta de ci­ne­ma e te­le­vi­são e pro­fes­sor li­cen­cia­do em Lín­gua Por­tu­gue­sa e Bra­si­lei­ra pe­la Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro, Lins es­cre­veu ain­da “Sob o Sol”, li­vro de Po­e­mas, em 1986; “Es­ses Po­e­tas”, li­vro de po­e­mas, em 1990 e “Des­de que o Sam­ba é Sam­ba”, ro­man­ce, em 2012.

Os dis­cur­sos enal­te­ce­ram a im­por­tân­cia e a for­ça da cul­tu­ra ne­gra, lem­bran­do os avan­ços dos úl­ti­mos tem­pos. “Há, no en­tan­to, mui­to ain­da pa­ra se evo­lu­ir”, lem­brou o rei­tor Jo­sé Vi­cen­te.

A pro­fun­di­da­de de uma con­sci­ên­cia ne­gra pa­ra uma na­ção mes­ti­ça é fun­da­men­tal e a ex­pres­são ar­tís­ti­ca foi o meio que inú­me­ros po­e­tas en­con­tra­ram pa­ra com­ba­ter e li­ber­tar seu po­vo do pre­con­cei­to e in­te­grá-lo à so­ci­e­da­de. Não pos­so dei­xar de ci­tar o nos­so Cruz e Sou­sa (1861-1898), o “Cis­ne Ne­gro”, co­mo era co­nhe­ci­do no seu tem­po, con­si­de­ra­do o mai­or po­e­ta ne­gro do pa­ís. Um dos pre­cur­so­res do Sim­bo­lis­mo no Bra­sil, Cruz e Sou­sa vai além des­te tí­tu­lo, de­mons­tran­do em sua po­e­sia uma per­fei­ta fu­são de sen­sa­ções, sen­ti­men­tos e con­sci­ên­cia so­ci­al a par­tir de sua pró­pria re­a­li­da­de. O de­se­jo ma­ni­fes­ta­do em seu tex­to se con­ver­teu num ins­tru­men­to de con­tes­ta­ção da se­gre­ga­ção e da si­tu­a­ção so­ci­o­e­co­nô­mi­ca que vi­veu, tris­te he­ran­ça do po­vo ne­gro. Sua po­e­sia (em ver­so e pro­sa) é a me­tá­fo­ra de um gri­to ator­men­ta­do de al­guém que bus­ca no so­fri­men­to a ro­ta de fu­ga de uma ver­da­de ar­tís­ti­ca pu­ra e ab­so­lu­ta.

Diário do Amanhã (GO), 06/12/2017