Início > Artigos > O combate ao racismo

O combate ao racismo

O que há de mais singular na formação e no desenvolvimento da literatura afro-brasileira, em comparação com processos similares no resto do mundo, talvez seja o fato de os autores, sobretudo de 1930 em diante, terem a todo instante de declarar a palavra "negro" como instância de afirmação de uma identidade denegada pelo imaginário social hegemônico.

Isso ocorreu também nos Estados Unidos, com o New Negro Movement e nos países francófonos com a Négritude, que assumiu a palavra "negro" como enfrentamento ao sentido pejorativo nela alocado.

Tal rebaixamento decorre também do estigma que, a partir do discurso bíblico, envolve o signo "negro" no Ocidente.

Desse contexto resulta, no Brasil atual, a grande importância da literatura negra, manifestação artística cujo surgimento está ligado à compreensão do conceito de negro —termo que pode, segundo pesquisadores, nos remeter a duas realidades: tanto à ofensa e à humilhação quanto à expressão de orgulho.

Por meio da manifestação artística, especialmente da literatura, o negro se liberta da imagem quase sempre estereotipada com que foi apresentado desde sua chegada ao Novo Mundo. O fato foi amplamente analisado na Flinksampa, por iniciativa do reitor José Vicente, da Faculdade Zumbi dos Palmares, com a participação de membros da Academia Brasileira de Letras.

Quando se discute a legitimidade da expressão "poesia negra", por exemplo, tem-se costumeiramente apontado para temáticas relacionadas ao combate ao racismo e à miséria. Hoje, porém, encontram-se motivos como o amor, o erotismo, a beleza, assim como a aliança entre música e poesia, por meio do samba, do pagode, maracatu, congada, reggae, entre outros.

Isso parece coincidir com a avaliação de que —ao lado da religião, das artes, em geral, e, sobretudo, da poesia— a literatura e o teatro permitem chegar ao homem negro, às ambições e frustrações mais profundas e ao que há de irremediável e irredutível no empobrecimento humano e cultural de uma sociedade que converte a democracia racial em um falso idealismo.

Nesse sentido, a profundidade de uma consciência negra para uma nação mestiça é fundamental; a expressão artística foi o meio que inúmeros poetas encontraram para combater e libertar seu povo do preconceito e integrá-lo à sociedade.

Não posso deixar de citar o escritor Cruz e Sousa (1861-1898), o "Cisne Negro", como era conhecido no seu tempo, considerado o maior poeta negro do país.

Um dos precursores do simbolismo no Brasil, Cruz e Sousa vai além deste título, demonstrando em sua poesia uma perfeita fusão de sensações, sentimentos e consciência social a partir de sua própria realidade. O desejo manifestado em seu texto se converteu num instrumento de contestação da segregação e da situação socioeconômica que viveu, triste herança do povo negro.

Sua poesia (em verso e prosa) é a metáfora de um grito atormentado de alguém que busca no sofrimento a rota de fuga de uma verdade artística pura e absoluta.

Um caminho que não se detém aos limites de sua obra, mas se desdobra em cada leitor que é tragado para seu universo.

Folha de São Paulo, 03/12/2017