Início > Artigos > A livre aquisição de armas

A livre aquisição de armas

O roubo de armas tornou-se lugar comum no Brasil e acontece também nos Estados Unidos. Aqui houve o assassinato da vereadora Marielle e do motorista Anderson; lá um pouco antes ocorreu na Flórida, em Marjory Stoneman Douglas, 17 jovens foram mortos por um desequilibrado, armado com um fuzil AR-15.

A reação do presidente Donald Trump foi imediata: "Se um professor tivesse uma arma, na escola da Flórida, isso não teria ocorrido: ele teria atirado e seria o fim disso tudo."

Ou seja, o presidente norte-americano não criticou a farta e livre aquisição de armas em seu país, mas defendeu o estabelecimento de um clima de guerra entre alunos e professores. Certamente, ele não quis opor restrições a uma das indústrias mais prósperas dos Estados Unidos e que apoiou a sua candidatura à presidência.

Há nítida falta de segurança nas escolas, agravada pela livre circulação de armas de guerra. É legal a venda de armas semiautomáticas, como o AR-15, comprado por Nikolas Cruz, o jovem assassino de 18 anos, numa loja em seu Estado. Na reunião com os pais, depois da tragédia, Trump fez uma série de promessas de duvidosa efetividade: questionar o limite mínimo de idade para comprar uma arma, aprimorar a segurança nas escolas e investir no tratamento de saúde mental para estudantes, o que naturalmente deve abranger também os ex-alunos, como é o caso presente.

A decisão imediata das autoridades, na Flórida, foi determinar que policiais locais passem a carregar armamento, inclusive fuzis, enquanto estiverem trabalhando na segurança das escolas, medida que a nosso ver padece de maior eficácia. É preciso evitar que essa loucura se instale no cérebro dos jovens - e esse é o papel da educação.

O Dia, 05/04/2018